05/07/2019 BRK AMBIENTAL

Ampliação do Atibaia na etapa final

A BRK Ambiental deu início à etapa final da 1ª fase da obra de ampliação e modernização da Captação do Rio Atibaia. O projeto recebe investimentos de R$ 15 milhões e permitirá o aumento do volume de captação em 150 litros por segundo e, consequentemente, o incremento da disponibilidade de água para 190 mil moradores de Sumaré (SP), o equivalente a 70% da população da cidade. 
 
A etapa final inclui três interligações de grande porte. A primeira delas aconteceu dia 18 de junho e impactará o abastecimento em quatro regiões de Sumaré. Com a obra, será possível captar 750 litros por segundo de água, trabalho que será realizado por 10 bombas divididas entre submersíveis e horizontais, em dois poços de alimentação, frente ao sistema atual, que conta com seis bombas que captam 600 litros por segundo. “Para isso, construímos uma nova estrutura para as novas bombas e um trecho de tubulação que será responsável por levar a água captada até as adutoras de água bruta”, explica o gerente de obras da BRK em Sumaré, Heitor Mendonça. 
 
A interligação das redes será feita junta a uma das adutoras de água bruta responsável por conduzir a água até a ETA II, Estação de Tratamento de Água localizada no Parque Itália, para ser tratada e posteriormente distribuída à população.
 
A obra de ampliação e modernização da Captação de Água Bruta do rio Atibaia começou em dezembro de 2018 e está prevista para ser concluída em outubro deste ano. A primeira etapa da obra tem avanço de 90%. “Esse percentual corresponde à parte civil e montagem hidromecânica. Também iniciamos a segunda etapa que envolve toda a infraestrutura elétrica da captação, que está sendo remodelada para atender às ampliações e modernizações que estão sendo realizadas”, ressalta Mendonça. A previsão é que a segunda etapa seja concluída em setembro. A terceira etapa terá início em julho e consiste na instalação de um Sistema de Geração e Dosagem de Hipoclorito que terá a função de realizar a pré-cloração da água até a estação de tratamento de água. “Esse sistema permite a produção de hipoclorito no próprio local, de maneira automatizada e segura”, ressalta. A obra, além do aumento da vazão de água captada, também vai permitir a ampliação em 10% da população abastecida pela ETA II, melhorando a segurança hídrica do município.

Veja também

05/07/2019
FONTES RENOVÁVEIS | Energia solar para operar ETE
05/07/2019
BAÍA DA GUANABARA | Instituições buscam segurança hídrica
17/06/2019
ARTIGO | A Guerra das águas continua
03/06/2019
PARANÁ | Sanepar investirá R$ 7 bilhões
03/06/2019
SANEAMENTO | Limeira já tem esgoto universalizado
27/05/2019
SANEAMENTO | Quase R$ 500 bi para universalisação