24/11/2017 COP-23, ENERGIA

Brasil recebe Fossil of The Day Award

No décimo dia da COP-23 o Brasil recebeu o Fossil of The Day Award pelos subsídios oferecidos pelo Governo às empresas que vão explorar petróleo em alto mar. O motivador do reconhecimento foi a MP 795, que, se aprovada, dará cerca de US$ 300 bilhões (aproximadamente R$ 1 trilhão) em subsídios à indústria petroleira, durante 25 anos.
 
“É um prêmio recebido justamente no dia em que o País lança sua candidatura para a COP-25, em 2019, o que reforça a contradição do ato. Em vez de o Brasil anunciar incentivos para bioenergia, energia solar e eólica, recuperação florestal, conservação dos biomas, agricultura de baixo carbono, transporte coletivo, entre outras iniciativas, prefere anunciar incentivos gigantescos para a indústria petroleira” disse o gerente de Estratégia de Conservação da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, André Ferretti, que participa do evento.
 
O Fossil of The Day Award é entregue geralmente para países que atrapalham o progresso do Acordo de Paris, no caso do Brasil, foi recebido por internamente estar dando sinais contrários e indo na contramão da história. Para o secretário executivo do Observatório do Clima e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, Carlos Rittl, o prêmio é merecido pela grande contradição que representa a MP 795 que incentiva a exploração do pré-sal. “Essa MP é um incentivo trilionário para convencer as petroleiras de todo o mundo a virem operar aqui no Brasil. E tanto do ponto de vista da arrecadação como do ponto de vista climático essa medida é uma aberração”, afirma Rittl. 
 
A premiação foi iniciada em 1999, em Bonn, pela organização German NGO Forum Environment and Development (ONG Alemã Fórum do Meio Ambiente e Desenvolvimento). Durante as negociações que acontecem nas Conferências das Partes da Convenção da ONU sobre Mudança do Clima, membros do Climate Action Network (CAN) indicam países que se destacam negativamente ou atuam na contramão da implementação do Acordo de Paris.