25/06/2018 SANEAMENTO

Mais de 1.600 municípios não têm serviço

A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes) divulgou recentemente a edição 2018 do ranking Abes da Universalização do Saneamento. O estudo abrangeu 1.894 municípios, sendo que 88% de baixo e médio porte. Do total, apenas 80 cidades foram avaliadas na categoria máxima ‘Rumo à Universalização’. Os municípios de grande porte citados no levantamento são 29 e estão concentrados nas regiões Sul e Sudeste. Outros 201 estão na categoria ‘Compromisso com a universalização’ e a maioria está nas categorias ‘Primeiros Passos para a universalização’ e ‘Empenho para a universalização’, somando 1.613 municípios. “A sociedade brasileira precisa entender que saneamento é saúde. Somente com este entendimento a população poderá identificar políticos que estejam comprometidos com esta questão e cobrar das autoridades a melhoria dos serviços. O saneamento tem impacto direto na vida de todas as pessoas e precisa ser PRIORIDADE na agenda dos governantes, dos legisladores e da sociedade em geral”, afirmou Roberval Tavares de Souza, presidente nacional da ABES. 
 
A edição 2018 do Ranking ABES da Universalização do Saneamento foi ampliada e abrange 100% do território nacional, contemplando todos os municípios brasileiros que forneceram ao SNIS – Sistema Nacional de Informações de Saneamento as informações para o cálculo de cada um dos cinco indicadores. Com esta mudança, o ranking passa a apresentar informações de quase dois mil municípios, o que representa 34% deles e 67% da população do País. Todas as 27 capitais estão no documento, que relaciona o saneamento à saúde, fazendo uma correlação entre a pontuação total alcançada pelos municípios e a taxa de internação por doenças relacionadas ao saneamento ambiental inadequado. A região com maior representatividade no ranking é a Sudeste, com 67% dos municípios e 86,14% da população, enquanto a menor é a região Norte com 9,3% dos municípios e 43,86% da população.
 
A maior parte das capitais está na categoria ‘Empenho para a universalização’ (70,4%). Apenas uma capital atingiu a pontuação para ser classificada em ‘Rumo à universalização’ – Curitiba (PR), que na última edição do ranking já estava nessa categoria. Por outro lado, a capital menor pontuada foi Porto Velho (RO), classificada na categoria ‘Primeiros passos para a universalização’.
 
No que se refere ao abastecimento de água, 59 cidades atingiram pontuação máxima Entre os municípios de pequeno e médio portes que alcançaram a pontuação máxima, 95% (39) são do Sudeste. Apenas Tamandaré (PE) e Ibiporã (PR) alcançaram essa pontuação nas regiões Nordeste e Sul, respectivamente. No grupo de municípios de grande porte, 60% (11) deles são do Sudeste, dos quais nove são apenas do estado de São Paulo. O Sul tem quatro cidades, entre elas as capitais Porto Alegre e Curitiba. No Nordeste, João Pessoa (PB) e Vitória da Conquista (BA) atingiram a pontuação máxima, enquanto no Centro-Oeste a goiana catalão foi a única a ter nota máxima. 

Veja também