25/09/2018 SANEAMENTO

ONGs batem meta anual de financiamento

O Banco da Família, instituição responsável por executar a primeira parceria da Water.org no Brasil, financiou R$ 1,9 milhão para famílias construírem ou reformarem seus banheiros, fossas ou comprarem equipamentos como caixas d´água, biodigestores, material elétrico, entre outros, em oito meses. A Water.org é uma ONG do ator Matt Damon e neste primeiro momento beneficiou mais de 600 pessoas nos estados da região Sul. O objetivo do projeto é alcançar o valor de R$ 24,5 milhões até o final de 2021, melhorando a qualidade de vida de cerca de 8,5 mil famílias.
 
Isabel Baggio, presidente do Banco da Família, comenta que os resultados rápidos demonstram o compromisso da instituição junto à comunidade. "Estamos no caminho certo, transformando vidas e melhorando a qualidade de vida das pessoas. Com a meta batida, temos mais certeza de que o projeto está funcionando e isso nos dá forças para continuar inserindo o tema saneamento no dia a dia das famílias", afirma. 
 
O "BF Saneamento" é um produto oferecido pelo Banco da Família que passou por reformulação em 2017 após anúncio de parceria com a Water.org. Com os ajustes necessários, os agentes foram treinados pelo Instituto Trata Brasil, que desenvolve projetos em comunidades vulneráveis em todo o País. "A pessoa conviveu tantos anos com o problema do esgoto a céu aberto que às vezes não percebe o absurdo da situação. O papel do agente de crédito é sensibilizar, propor soluções, apoiar e conscientizar essas pessoas de que não é natural que os filhos tenham diarreia três ou quatro vezes por mês. É importante mostrar que este é um problema que impacta no desenvolvimento físico das crianças, afeta a família e toda a comunidade", diz Geórgia Schmidt, Diretora Administrativa do Banco da Família. 
 
Segundo o Instituto Trata Brasil, o País registra milhares de casos de internação por diarréia anualmente (400 mil casos em 2011, sendo 53% de crianças de 0 a 5 anos). Além disso, o BNDES estima que 65% das internações de crianças com menos de 10 anos sejam provocadas por males oriundos da deficiência ou inexistência de esgoto e água tratada. O problema também impacta no desempenho escolar, pois crianças que vivem em áreas sem saneamento básico apresentam rendimento escolar 18% inferior à média.