02/05/2019 REUSO

Projeto Aquapolo ganha Prêmio Eco

O projeto Aquapolo para produção de água de reuso industrial, uma parceria entre a BRK Ambiental, a Sabesp, com soluções de IoT da Schneider Electric, recebeu o Prêmio Eco, premiação de sustentabilidade empresarial do País, uma iniciativa da Amcham Brasil que já está na 36ª edição. 
 
O Aquapolo utiliza modernos processos tecnológicos e está apto a produzir 1.000 litros de água de reuso por segundo – volume equivalente ao consumo de água potável por cerca de 500 mil pessoas. O projeto não usa tecnologias de ultrafiltração e osmose reversa, ambas com altíssimo grau de automação e controle. Atualmente o Aquapolo fornece, de forma ininterrupta e em conformidade com 20 parâmetros de qualidade, 650 litros de água de reuso por segundo para clientes do Polo Petroquímico do ABC Paulista, no estado de São Paulo.
 
Sensores em Estações Elevatórias da Sabesp medem o nível de toxicidade da carga, e, a partir daí, o esgoto é bombeado até a ETE do ABC. Concluída essa etapa, a vazão seguiria em sua totalidade (2.000 litros/segundo) para o Córrego dos Meninos, mas o Aquapolo capta parte do efluente (650 litros/segundos) e o trata, produzindo água de reuso. Para produzir a água de reuso, a Schneider Electric customizou uma solução de EcoStruxure – sua plataforma e arquitetura de sistema aberta, interoperável e habilitada para IoT que contempla desde produtos conectados a aplicativos, análises e serviços. A empresa implantou tecnologias de software para controle em tempo real do processo de tratamento por membranas de ultrafiltração; software historiador de armazenagem de todos os dados da operação, de forma inviolável; software de gestão da produção que permite integrar dados financeiros a dados de produção para realizar a cobrança aos usuários finais; e solução de inteligência da operação para automação de processos e otimização do tratamento para que o processo se ajuste a alterações em tempo real, reduzindo perdas de energia e reagentes químicos e evitando que os parâmetros da água não atinjam o estabelecido em contrato.
 
A água percorre uma extensão de 17km de São Paulo até uma torre de distribuição em Capuava, em Mauá, onde está o Polo. A partir daí, uma rede de distribuição de 3,6km cuida da entrega para cada um dos clientes. A água disponibilizada – com parâmetros e qualidade determinados pelo próprio Polo Petroquímico – é utilizada para limpar torres de resfriamento e caldeiras, principalmente. "A Schneider Electric, há mais de 40 anos, desenvolve soluções de automação, gestão de energia e tecnologias digitais para o segmento de saneamento por acreditar que os recursos naturais – que são nossa maior riqueza – merecem a mais alta dedicação e tecnologia", comenta Marcos Matias, presidente da empresa para o Brasil. Dentre os benefícios do EcoStruxure, da Schneider, os principais são a redução do consumo de energia em até 30%, o aumento da eficiência operacional em até 25% e a redução do custo de propriedade em 25%.