09/07/2018 BIOGÁS

RS projeta usina de R$ 100 milhões

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, assinou um protocolo de intenções com a empresa JMalucelli Ambiental para elaboração de um projeto de biogás. A expectativa é que se instale no município de Montenegro uma usina que transforme resíduos agrossilvopastoris em biometano (35.000 m³/dia), CO2 (40 ton/dia), energia térmica e elétrica (2 MWm) e biofertilizante (4.000 ton/mês). 
 
Serão investidos R$ 100 milhões no projeto pioneiro gaúcho. Entretanto, para o governador, não cabe ao estado produzir energia, mas possibilitar que outros possam realizar investimentos para o desenvolvimento do setor. “O Estado possui grande potencial energético. Atrair investimentos para essa área é um desafio. Estamos preparados para assumir esse papel. É preciso ter convicção e olhar para frente. Modernizar o estado, ser mais eficiente e projetar o que queremos para o futuro”. 
 
O diretor da JMalucelli Ambiental, Eduardo Covas Barrionuevo, explica que o projeto está sendo estruturado há três anos. “Escolhemos Montenegro em função da central de compostagem da Ecocitrus. Além disso, toda a matéria-prima está disponível na região. São 15 atividades industriais, com cerca de 30 tipos de resíduos, que são de interesse do projeto”. O Atlas das Biomassas do Rio Grande do Sul, estudo desenvolvido em 2016, em parceria entre a Secretaria de Minas e Energia e a Sulgás, com levantamento técnico realizado pelo Centro Universitário Univates, destaca as regiões potenciais de produção de biogás e biometano no Estado. Apenas na região do Vale do Caí, o volume de biomassas agroindustriais e de dejetos de animais correspondem a aproximadamente 2 milhões de toneladas/ano. Destacam-se os dejetos de suínos e aves, como sangue, vísceras e lodos das estações de tratamento de efluentes, principalmente em Montenegro (185 mil toneladas).