05/09/2018 TECNOLOGIA

Stockholm Water Water premia estudantes

Os estudantes de Cingapura Caleb Liow Jia Le e Johnny Xiao Hong Yu venceram o Stockholm Water Water Award de 2018 por produzir óxido de grafeno reduzido. O material é usado para purificar a água de resíduos agrícolas. Os estudantes receberam o troféu da Princesa Victória da Suécia durante a Semana Mundial da Água, em Estocolmo.
 
Caleb Liow Jia Le e Johnny Xiao Hong Yu desenvolveram um novo método para produzir óxido de grafeno (rGO) reduzido utilizando casca de durião e bagaço de cana-de-açúcar. Com a casca os estudantes encontraram um método mais ecológico e barato para a produção de rGO. O Stockholm Junior Water Prize vai para os vencedores de uma competição anual internacional com mais de 10 mil inscrições de todo o mundo.
 
O júri destacou os benefícios do método dos pesquisadores, de baixo custo e amplamente aplicável para limpar a água. O projeto vencedor incluiu conceitos de economia circular, nanotecnologia e química verde. 
 
Como parte da final do Prêmio Júnior de Estocolmo, um Diploma de Excelência foi concedido a Tatsuyoshi Odai e Narumi Sakamoto, dois estudantes do Japão. Em seu projeto eles desenvolveram um sistema que produz alimentos enquanto purifica lagoas eutrofizadas com uma combinação de plantas, bactérias nitrificantes e fungos. 
 
Professores 
 
Os professores Bruce Rittmann e Mark van Loosdrecht receberam o Stockholm Water Prize em 2018, pela pesquisa microbiológica e inovações que revolucionaram o tratamento de água e esgoto. Ao parabenizar os laureados, a Princesa Herdeira Victoria, disse: “Não há nada mais inspirador de esperança do que aprender sobre maneiras novas e inovadoras de superar nossos desafios mais fundamentais. Como a água doce, a criatividade da mente humana é um recurso natural muito valioso, assegurando as chaves para um futuro justo e saudável para todos nós”. 
 
Os professores agradeceram o Comitê de Indicação. O professor van Loosdrecht disse : “Eu também gostaria de agradecer a todos os estudantes de doutorado com quem trabalhei no desenvolvimento desta tecnologia”.  Já o professor Bruce Rittmann comentou: “Eu considero as honras como o Stockholm Water Prize não como um 'final feliz', mas como uma fundação para contribuir em mais e melhores maneiras. Mais do que Mark e eu, o verdadeiro vencedor hoje deve ser a Biotecnologia Ambiental, nossa poderosa parceria com microorganismos. A sociedade humana precisa do poder da parceria humano-micróbio. Pode tornar nosso ambiente mais limpo, gerar recursos realmente renováveis e melhorar nossa saúde”. 
 
A pesquisa de Bruce Rittmann, dos EUA, e de Mark van Loosdrecht, da Holanda, contribuiu para o entendimento de como os microrganismos podem transformar os poluentes orgânicos em algo de valor para os seres humanos e o meio ambiente. O trabalho levou a tecnologias que possibilitam a remoção de contaminantes nocivos da água, o corte de custos de tratamento de águas residuais, a redução do consumo de energia e até a recuperação de produtos químicos e nutrientes para reciclagem em todo o mundo. “Estou profundamente impressionado com a forma como eles converteram as teorias pioneiras em prática atual, tornando o tratamento de água mais acessível, tomando emprestadas soluções da natureza ”, disse o diretor executivo da SIWI, Torgny Holmgren.

Veja também

05/09/2018
ÁGUAS SUBTERRÂNEAS | Coletânea sobre legislação brasileira
07/08/2018
BIODIVERSIDADE | Brasil apresenta diagnóstico preliminar
25/06/2018
MEIO AMBIENTE | Semasa vai selecionar projetos ambientais
18/04/2018
RESÍDUOS ELETRÔNICOS | Cetem lança manual de destinação
14/12/2017
TECNOLOGIA | Carvão ativado colabora na limpeza