08/06/2020
SANEAMENTO

Água, esgoto e lixo fora dos essenciais

A Advocacia Geral da União (AGU) defendeu, no Supremo Tribunal Federal (STF), decreto do presidente Jair Bolsonaro que retirou os serviços de captação e tratamento de água, esgoto e lixo da lista de serviços essenciais. A AGU alega que é de responsabilidade do executivo determinar os serviços essenciais e que a prestação desse tipo de serviço não cabe à União, mas a Estados e municípios.

"Essas atividades são desenvolvidas no âmbito local, ou seja, pelos Estados e municípios, portanto, a esses entes federativos cabe dispor ou não acerca da essencialidade na prestação deste serviço, não à União", afirmou a AGU.

Segundo a AGU, governos estaduais e municipais podem incluir os serviços relacionados à água, esgoto e lixo como essenciais. Essas atividades foram consideradas essenciais pelo governo federal no decreto de 20 de março, mas foram retiradas da lista num novo decreto de 28 de abril, assinado por Bolsonaro.

Veja também

06/07/2020
ARTIGO | Um novo marco para o Brasil
06/07/2020
MARCO REGULATÓRIO | ANA promete parceria com agências subnacionais
06/07/2020
RESÍDUOS SÓLIDOS | Abetre e MMA lançam ferramenta de mapeamento
06/07/2020
ABASTECIMENTO | BRK Ambiental conclui obra em Limeira
29/06/2020
BRK AMBIENTAL | Posicionamento sobre marco regulatório''