24/11/2015
ABASTECIMENTO

“Ta Faltando Água” solta primeiro relatório

Idealizado pela Aliança pela Água, rede que reúne mais de 60 entidades entre ONGs, especialistas e movimentos sociais, o aplicativo “Tá Faltando Água” – lançado em setembro deste ano - divulgou seu primeiro relatório referente às denúncias de falta de água e outras ocorrências no dia 18 de novembro. O documento tem as informações baseadas nas coletas de 45 dias, de acordo com orientações do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP).

Entre os dias 10 de setembro e 26 de outubro, o app recebeu 10.593 denúncias de falta d’agua, em uma média de 235 ocorrências por dia, distribuídas em 354 municípios. Apesar de direcionado ao público da Grande São Paulo, local onde a ação da Aliança tem se concentrado desde a sua criação, em outubro de 2014, foram registradas ocorrências em todos os estados brasileiros, com exceção de Amapá. O MP pretende utilizar essas notificações como elemento de prova para adoção de medidas judiciais pertinentes.

No Estado de São Paulo foram feitas 8.113 denúncias em 105 municípios paulistas, sendo que a maior concentração de notificações foi em 32 dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo, onde a capital lidera com quase 6 mil ocorrências, seguida de Guarulhos e Santo André. Entre os 10 municípios com mais denúncias, sete são atendidos pela Sabesp e três por autarquias municipais que compram água da companhia paulista. Os dados também foram analisados por sistemas produtores de água, onde a região abastecida pelo Cantareira lidera as notificações, seguida das áreas de “flexibilidade” entre sistemas, ou seja, que antes da crise eram abastecidas pelo Cantareira e hoje são atendidas por Guarapiranga e Alto Tietê. “As informações fornecidas pelas pessoas confirmam dados divulgados recentemente pelo Datafolha e site Fiquem Sabendo sobre falta de água, mas também trazem informações novas que é a escassez nos municípios que compram água da Sabesp e nas áreas de “flexibilidade” entre sistemas.”, afirma Marussia Whately, Coordenadora da Aliança Pela Água.

“Os dados apresentados não têm a pretensão de cobrir a totalidade das ocorrências de falta de água, mas sim apresentar uma amostragem por meio de um método de coleta acidental, ou seja, que depende das pessoas baixarem e utilizarem o aplicativo. Mesmo que, estatisticamente, não representem toda a população, os dados quantitativos e qualitativos aqui apresentados trazem uma importante contribuição para a tomada de decisão da sociedade civil e de autoridades, pois não são apenas números, mas situações reais de falta de água. Por isso, também ajudam a desnaturalizar o fenômeno da falta de água, ao qual estamos nos acostumando, desde o início da crise”, explica Carlos Thadeu de Oliveira, gerente técnico do Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor).

As denúncias podem ser feitas utilizando oi sistema de geolocalização do próprio celular ou o CEP do imóvel atingido. Assim como no aplicativo de trânsito “Waze”, é possível ver a incidência de falta d’agua em tempo real em toda a cidade. O app está disponível em duas versões - uma na Internet, desenvolvido pelo Instituto Sócio Ambiental (ISA), para acesso via navegador, e outro para celulares com sistema operacional Android, desenvolvido por voluntários da empresa Autbank.

Parte da campanha “Tá Faltando Água”, o aplicativo permite a produção de relatórios detalhados sobre a situação, que serão divulgados periodicamente no site Sala de Crise (www.saladecrise.com.br), da Aliança Pela Água, em formato de relatório e base de dados aberta para análises independentes. Além dos relatórios, a Aliança pela Água encaminhará informações para as diferentes instâncias e órgãos de governo responsáveis pela gestão de recursos hídricos, saneamento, saúde e defesa civil pedindo providências, e tornará públicas as respostas enviadas por cada um dos órgãos envolvidos.