21/12/2020
ÁGUA

BNP Paribas e BlackRock criam fundo

Com o objetivo de atrair investidores brasileiros para o negócio de água, as gestoras BNP Paribas e BlackRock lançaram, em evento exclusivo para clientes das duas empresas, o primeiro fundo de investimento vendido no mercado brasileiro com foco exclusivamente no mercado hídrico. 
 
O BNP Paribas BlackRock Estratégias ESG FIA IE foi desenvolvido por especialistas das duas gestoras e levou em consideração dois aspectos principais: ter uma parte da carteira alocada em um fundo de gestão ativa que fosse especializado no tema e que já tivesse um histórico; e equilibrar o risco do portfólio. 
 
O primeiro ponto foi decidido pela Impax Asset Management, especializada em oportunidades de investimentos que surjam na transição para uma economia global mais sustentável. A empresa administra o BNP Paribas Aqua Fund, que busca, ativamente, empresas de todo o mundo que tenham negócios no mercado de água, especialmente nas áreas de infraestrutura, tratamento e serviços. Lançado em 2008, o fundo com a temática hídrica rendeu, nos últimos cinco anos, 10,48% ao ano. Representante da Impax, Harry Boyle, disse que a área de investimentos no setor de agua é promissora, principalmente por dois aspectos. “O primeiro é o simples crescimento da população mundial, que deve atingir 11 bilhões de pessoas arte o final do século. Isto aumentará a disputa pela disponibilidade hídrica limitada e ainda com perspectiva de piora por conta do aquecimento global. Outro fator é que empresas do setor precisam melhorar muito sua infraestrutura”. Para Boyle, o equilíbrio da oferta e demanda, em parte pelo crescimento populacional, aliado às altas taxas de vazamento da indústria, só vai piorar. Por isso empresas na China, Europa e governos querem investir na área. 
 
Aproximadamente 55% do patrimônio do novo fundo investe diretamente em cotas do BNP Paribas Aqua Fund, enquanto o restante é aplicado no ETF da BlackRock IGSG (iShares Dow Jones Global Sustainability Screened UCITS), que replica a carteira do índice Dow Jones Sustainability World Enlarged Index. O novo fundo, então, investe em diversos ativos, dos quais 1/4 é destinado a companhias, como Microsoft, Visa, Nvidia, Nestlé, United Health, Taiwan Semiconductor Manufacturing, Mastercard, Roche, Adobe e Novartis. Em três anos, o fundo deu um retorno às companhias de 8,37% e em cinco anos, de 10,31%. 
 
Cindy Shimoide, responsável pela construção de carteiras da BlackRock para a América Latina, diz que a opção por este ETF dentre todos os que a BlackRock administra leva em consideração os seus critérios de sustentabilidade e sua diversificação, que reduz o risco da carteira do BNP Paribas Blackrock Estratégias ESG como um todo. “A escassez hídrica tem complicações financeiras. Empresas com unidade de produção em regiões de escassez podem enfrentar mais gastos no futuro, inclusive com seguros. Terão que se dedicar mais a reciclagem, conservação dos recursos e outros pontos que atendam às normas que devem ficar mais rigorosas no futuro”, explica a executiva. “Acreditamos que as empresas que podem gerenciar melhor recursos hídricos podem ser mais valorizadas no longo prazo”. 
 
Cindy comenta que o mercado imobiliário será diretamente impactado pela escassez de água num futuro. “Empresas mais resilientes podem ter um bônus em um processo de transição para um mundo mais sustentável. Quanto mais compreendemos, podemos ajudar os investidores a absorver as oportunidades que surjam”, completa Cindy.
Por fim, ela explica que em simulações de estresse e volatilidade alta, na composição que está, o fundo BNP Paribas Blackrock Estratégias ESG tende a adicionar mais estabilidade e resiliência aos portfólios de grandes investidores. Segundo Cindy, o público-alvo do fundo é de investidores qualificados, que tenham ao menos R$ 1 milhão de investimentos financeiros. Por ser um tipo de investimento de longo prazo, as empresas esperam atrair também fundos de pensão e previdência. “A aplicação mínima é baixa, de R$ 5 mil, com aplicações adicionais de R$ 1 mil. A taxa de administração aqui no Brasil é de 0,9% e não será cobrada taxa de performance. O resgate e pagamento é feito em até 5 dias úteis”. 

Veja também

10/05/2021
BACIAS HIDROGRÁFICAS | Manejo de água em propriedades rurais
04/05/2021
ÁGUAS PLUVIAIS | Reaproveitamento doméstico em Atibaia
04/05/2021
SÃO FRANCISCO | Pré-acordo para operação do PISF
19/04/2021
ARTIGO | Quanto custa a falta de água?
11/04/2021
BRK AMBIENTAL | Volume menor de chuva em 2021 preocupa
07/04/2021
RECURSOS HÍDRICOS | Atlas Águas recebe contribuições
29/03/2021
ÁGUA POTÁVEL | Minsait ajuda mais de 50 milhões
29/03/2021
ARTIGO | Abundância de água, escassez de investimentos
22/03/2021
REUSO | Ambipar vai tratar água da chuva
22/03/2021
ÁGUA | E-book do ONDAS discute tarifa social
22/03/2021
DIA MUNDIAL DA ÁGUA | Exibição do filme “A Água que Falta”
22/03/2021
GS INIMA | Webinar sobre o “Valor da Água”