26/04/2021
POLÍTICAS PÚBLICAS

CDP lança documento sobre ambiente

O CDP América Latina lançou o "Perfil Nacional: Brasil – Compilado de informações referentes aos estados, cidades e empresas brasileiras que monitoram suas iniciativas ambientais através do Questionário do CDP". O documento fornece aos formuladores de políticas públicas as principais informações e conhecimento técnico científico da organização relacionado a temas como: mudanças do clima, segurança hídrica e uso da terra, coletados por meio da plataforma de reporte CDP. 

O CDP América Latina busca estabelecer parcerias governamentais com objetivo de ampliar a ação climática para o alcance de metas como as estabelecidas pelo Acordo de Paris ou ainda metas nacionais como as adotadas na Política Nacional de Mudança do Clima. Entre os 27 estados brasileiros, 26 utilizam a plataforma para monitorar as ações para enfrentamento das mudanças climáticas. Entre os destaques estão Acre, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Pernambuco, pois relatam, pelo menos, 80% dos indicadores analisados (retirados das respostas ao questionário de Estados e Regiões de 2020). Outros 13 estados, além do Distrito Federal, possuem pelo menos um indicador. 

Os principais indicadores são possuir um inventário de emissões de escala regional; um plano de ação às mudanças climáticas para reduzir as emissões de GEE na escala regional; ter uma meta de redução de emissões de GEE em vigor para a escala regional; desenvolver um estudo de vulnerabilidade com análise de riscos ou de vulnerabilidade à mudança climática para o estado; e construir um plano de adaptação às mudanças climáticas. Estes dados confirmam o comprometimento no enfrentamento da crise climática reforçado pela carta enviada por 22 governadores brasileiros ao presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. A carta diz que a parceria entre os dois países poderá impulsionar um modelo de economia sustentável na mitigação de problemas ambientais. 

Outra iniciativa que tem como objetivo trazer esta questão para debate público é a Aliança pela Ação Climática – Brasil (ACA-BR), que mobiliza líderes empresariais, investidores, autoridades, entidades religiosas, organizações da sociedade civil e jovens em apoio à ação climática no Brasil. A ACA-BR quer inspirar ações mais ousadas por meio da colaboração; engajamento dos brasileiros sobre a urgência e os benefícios da ação climática; e apoiar as condições políticas que podem acelerar a transição do Brasil para uma sociedade resiliente para o benefício de todos os brasileiros e de todo o mundo, em consonância com o Acordo de Paris. 

Segundo o levantamento do CDP América Latina, 73% dos estados colaboram com governos nacionais no desenvolvimento e/ou cumprimento de objetivos, metas e/ou estratégias ambientais comuns, nas principais áreas de ação: redução de emissões (30%), adaptação climática (20%) e cobertura florestal (7%). No que se refere ao financiamento climático, das 92 cidades brasileiras que reportaram ao CDP em 2020, 62 delas (67%) afirmaram ter algum tipo de projeto buscando financiamento. Essas 62 cidades apresentaram 169 projetos, que podem se relacionar à energia renovável, ao transporte sustentável, à eficiência energética ou de construção, ao lixo, à água ou a outras áreas relacionadas ao clima. O custo estimado dos projetos é de R$ 6.4 bilhões e o financiamento total necessário é de R$ 2.4 bilhões.

Entre as empresas, 704 das 1.251 convidadas responderam ao questionário do CDP, em 2020. As companhias brasileiras estimaram uma perda aproximada de R$ 440 bilhões, e um custo de reparação das perdas financeiras de R$ 287 bilhões. Os principais fatores de risco para essas empresas são: aumento de desastres naturais (16%), variação nos padrões climáticos (16%) e precificação de carbono (12%). As empresas brasileiras implementaram ações climáticas que resultaram na redução de pouco mais de 37,5 milhões de toneladas métricas de CO² em 2020 e pretendem chegar a 42,1 milhões em 2021. "O perfil nacional é parte do Programa de Parcerias governamentais do CDP, cujo principal objetivo é fornecer aos órgãos públicos e agências governamentais os dados, análises e capacitação para rastrear e medir o impacto das políticas públicas”, disse Gustavo Souza, Gerente de Políticas Públicas do CDP América Latina. 

Essa é a primeira vez que a CDP faz um documento contendo os principais dados que podem apoiar os governos na formulação, implementação e monitoramento de políticas públicas ambientais e climáticas. “Acreditamos no conhecimento científico e no uso dos dados como elementos centrais para pautar política pública, construir alianças multi-atores, dar visibilidade internacional e colocar a agenda climática como prioritária para estes governos", explica Souza.