22/01/2021
ENERGIA EÓLICA

Impactos do novo modelo de precificação

A Câmara de Comercialização de Energia (CCEE) implementou a nova forma de precificação da energia em 1° de janeiro de 2021, após inúmeras postergações. A nova forma leva em consideração a base horária no Mercado Livre. Embora a aplicação do chamado preço horário também possa causar impactos nos consumidores, esses efeitos já vêm sendo analisados por grandes players de geração de energia elétrica há algum tempo. Entre os mais impactados do segmento estão as energias eólicas, localizadas no Nordeste, pois sua produção é intensificada à noite, onde as condições do vento favorecem a geração e coincide com o período em que a demanda por energia é menor.

Segundo análise da Trinity Energia, que comparou os efeitos da modulação contratual de usinas eólicas no Rio Grande do Norte e solares no Piauí com o PLD horário disponibilizado pela CCEE em 2019, ficou constatado que o empreendedor eólico assume um prejuízo de cerca de R$ 10,00//MWh para vender sua energia de forma flat, enquanto o gerador solar colhe um benefício de cerca de R$ 1,32/MWh. "A maior variação dos preços também abrirá espaço para que sejam exploradas novas formas de aproveitamento dos recursos renováveis, como a implementação de usinas híbridas, que combinam duas ou mais fontes de geração usando recursos diferentes. Começa a receber mais atenção também a possibilidade de instalação de bancos de baterias, para armazenamento da energia nos horários em que ela é mais barata, para posterior utilização nos momentos em que ela estiver mais cara", avalia João Sanches, CEO da Trinity Energia.

Na mesma lógica da instalação das baterias, entram as usinas hidrelétricas reversíveis, que em momentos de elevada demanda de energia elétrica funcionam como uma usina hidrelétrica tradicional, em que a água é escoada de um reservatório mais alto para um mais baixo, acionando uma turbina e gerando energia elétrica. Quando a energia tem custos mais baixos, é acionada a função de bombeamento, que devolverá a água do reservatório inferior para o superior, devolvendo à usina a capacidade de geração.

Dessa forma, a análise e precificação dos riscos provenientes da implementação do PLD horário são fundamentais para a estruturação de um projeto competitivo, que auxiliará na definição de preços de comercialização da energia, elaboração da estratégia de contratação de produtos para gerenciamento desse risco – como swaps de modulação – ou mesmo na avaliação da implementação de projetos capazes de mitigar esses riscos, combinando fontes e instalação de baterias.

Veja também

24/02/2021
ENERGIA SOLAR | Win traz tecnologias para o Brasil
24/02/2021
GESTÃO DE CARBONO | BASF e Siemens Energy firmam parceria
19/02/2021
ARTIGO | O futuro da inovação da tecnológica em energia solar
08/02/2021
ENERGIA SOLAR | Minas Gerais tem a maior potência instalada
28/01/2021
HIDROGÊNIO VERDE | Solução inovadora em projeto offshore
26/01/2021
VEÍCULOS ELÉTRICOS | Bateria promete carregar em cinco minutos
22/01/2021
ENERGIA | AES Brasil vai fornecer à Ferbasa
22/01/2021
ENERGIA SOLAR | Mais de 47 mil empregos em 2021
22/01/2021
ENERGIAS LIMPAS | Demanda pode favorecer produção mineral
11/01/2021
ENERGIA FOTOVOLTAICA | Itaipu implanta projeto-piloto no PR
11/01/2021
ENERGIA SOLAR | Investimentos somam mais de R$ 13 bilhões
11/01/2021
ENERGIA EÓLICA | Acertada venda do complexo Mangue Seco