11/01/2021
SÃO PAULO

Maior prazo para o Conexão Mata Atlântica

A Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente de São Paulo (SIMA) prorrogou o prazo do projeto Conexão Mata Atlântica para 15 de julho de 2023. A extensão do prazo tem como objetivo dar acompanhamento e assistência técnica aos produtores rurais que participam do projeto. 

Com início em 2017, o Conexão Mata Atlântica tinha o término previsto em 2022. Com a mudança, os contratos vigentes de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA), Certificação e Cadeia de Valor Sustentável foram automaticamente prorrogados até 15 de julho de 2023. A prorrogação não altera os tempos de execução dos planos de ação das propriedades, e não haverá mudanças no número ou no valor dos pagamentos dos contratos. "O apoio do Estado ao produtor rural incentiva a realização de ações necessárias para preservar remanescentes de vegetação com possibilidade de geração de renda. E ao preservar a Mata Atlântica, contribuímos para o enfrentamento da mudança do clima. Com a prorrogação do prazo, estende-se o alcance das atividades para recuperar e proteger esse bioma tão importante para nossa sobrevivência", destacou o secretário Marcos Penido. 

De 2017 até agora o projeto já foi firmado com mais de 1.400 contratos com produtores rurais no Estado de São Paulo, resultando no fomento à conservação de cerca de dez mil hectares de vegetação nativa e na restauração de 739 hectares de vegetação, com o PSA Proteção. Ainda, uma das ferramentas do projeto, o PSA Uso Múltiplo promove ações para manejo da pastagem em mais de 1.500 hectares. 

Por sua vez, a Fundação Florestal já firmou 267 contratos de PSA Uso Múltiplo que correspondem à conservação de 7.579 hectares de Mata Atlântica e 476 hectares manejados. Esses provedores de serviços ambientais recebem assistência técnica e estão compromissados com práticas tais como saneamento, conservação de solo e da água, criação de abelhas nativas, entre outras. Há também 160 produtores sendo preparados para obter certificação que em sua maioria optaram pela transição agroecológica e certificação orgânica e aproximadamente 200 produtores recebendo apoio técnico e financeiro para o desenvolvimento de cadeias de valor sustentável, produzindo e beneficiando produtos que geram renda com menor impacto ambiental, cada qual com o seu próprio plano de negócio. 

Cercamento de mata ciliar e nascentes, manejo adequado da pastagem e instalação de bebedouros nos piquetes são algumas das ações do Conexão Mata Atlântica para aumentar a quantidade de água, melhorar a qualidade do pasto, controlar a erosão do solo e, consequentemente, incrementar a produtividade, seja do leite ou do gado de corte e da agroflorestal.

Veja também