19/07/2019
INDÚSTRIA CIMENTEIRA

O esforço para reduzir emissões

A indústria brasileira do cimento possui um dos menores níveis de emissão de CO2 por tonelada de cimento produzida e segue no propósito de reduzir sua intensidade carbônica em 33% até 2050, “com base nos valores atuais”. As medidas necessárias para tanto estão baseadas em quatro pilares: adições e substituições de clínquer, por meio do uso de subprodutos de outras atividades; combustíveis alternativos aos fósseis não renováveis; medidas de eficiência energética; e tecnologias inovadoras para captura de carbono.

Hoje o setor de cimento conta com 100 fábricas no Brasil, sendo 64 delas integradas (que abrangem todo o ciclo, do minério à produção do clínquer) e 36 moagens (não têm fornos – compram apenas o clínquer). Destas, 14 fábricas integradas e 6 moagens estão fechadas e das que estão ativas muitas estão com parte dos fornos paralisados. Com isso, a capacidade ociosa está em 47% e a produção atual é de 53 milhões de toneladas.  O Brasil é o 12º produtor mundial de cimento, mas em 2014, na ocasião do pico de produção, ocupava a 5ª posição, com 86 milhões t de capacidade produtiva e 71,7 milhões t de produção. Todo o consumo está direcionado para o mercado interno e a exportação é incipiente, basicamente de cimento branco (volume pouco significativo). Veja detalhes do plano da indústria brasileira do cimento para reduzir suas emissões em www.sambiental.com.br/revista/192

 

Veja também

08/06/2020
SUSTENTABILIDADE | Cisne Verde pode atingir Brasil
02/06/2020
ATUAÇÃO RESPONSÁVEL | Abiquim adia congresso para 2021
25/05/2020
SUSTENTABILIDADE | FEE conclui 30 projetos em 2019
12/05/2020
CONSTRUÇÃO CIVIL | Estudos revela 8% de materiais desperdiçados
09/03/2020
AGRICULTURA SUSTENTÁVEL | Lançado programa Desafio Agroflorestal
16/12/2019
SUSTENTABILIDADE | Ramboll contrata novos especialistas