07/04/2021
TECNOLOGIA

Projeto de energia térmica solar

O governo dos Estados Unidos anunciou que vai financiar a instalação de teste em escala piloto para demonstrar uma tecnologia de energia térmica solar concentrada (CST) de próxima geração que a Austrália ajudou a desenvolver. A tecnologia CST de partículas decrescentes é 100% renovável e pode armazenar várias horas de energia térmica para geração de energia firme e totalmente despachável. 

O sistema térmico estável tem baixo custo, com aplicações para geração de energia e processamento de calor em mineração, processamento de minerais, processamento químico e outros processos industriais de alta temperatura. A participação da Austrália no projeto aconteceu por meio do Australian Solar Thermal Research Institute (ASTRI), uma colaboração internacional de pesquisa de dez anos e US$ 100 milhões, financiada (50%) pela Australian Renewable Energy Agency (ARENA). 

A agência científica nacional da Austrália, CSIRO, tem sido um dos principais contribuintes externos para a tecnologia de queda de partículas que está sendo desenvolvida pelos Estados Unidos no Sandia Laboratories, que receberá US$ 25 milhões do Departamento de Meio Ambiente norte-americano para ajudar na construção de uma planta de demonstração em Albuquerque, Novo México (EUA). O sistema de partículas em queda em Sandia foi desenvolvido nos últimos dois anos com contribuições significativas da Austrália, incluindo CSIRO, a Australian National University e a University of Adelaide.

A CSIRO, por meio da ASTRI, também construiu seu próprio sistema de queda de partículas em escala piloto em sua instalação de energia solar em Newcastle. “Estamos muito satisfeitos que nossos colegas americanos tenham escolhido esta tecnologia como o caminho a seguir para a tecnologia CST”, disse Wes Stein, diretor de tecnologia da ASTRI e gerente de pesquisa térmica solar da CSIRO. “Temos trabalhado em estreita colaboração com os Estados Unidos há vários anos na próxima geração de tecnologia CST e a decisão norte-americana reflete nossos esforços e reconhece as contribuições australianas para o desenvolvimento deste sistema”. 

A tecnologia envolve uma cortina descendente de pequenas partículas que é aquecida pela luz solar concentrada até bem acima de 700°C e então armazenadas como energia térmica para uso diurno ou noturno, para gerar eletricidade ou para fornecer calor de processo industrial de alta temperatura. Temperaturas acima de 1.000°C são possíveis, dependendo do processo.

A próxima fase do projeto norte-americano projetará e testará um sistema CST de partículas térmicas caindo em escala de megawatts. Como um projeto de demonstração, terá potencial para operar por milhares de horas e foi projetado para mais de seis horas de armazenamento de energia em temperaturas bem acima de 700°C.