20/07/2020
SANEAMENTO

Ramboll acredita em redução de perdas d’água

Com o marco regulatório do saneamento aprovado e agora sancionado pelo Governo, a Ramboll vê a oportunidade de combater as perdas d’água no Brasil, atualmente acima dos 38%. "Uma das principais formas de combater a COVID-19 é lavando as mãos, mas sem a universalização do saneamento, isso é quase impossível", frisa Eugenio Singer, presidente da Ramboll no Brasil. "Atualmente, perdemos muito do que produzimos por problemas na distribuição, mas nunca demos muita atenção, por causa da abundância. Com as mudanças climáticas, como as secas recentes que atingiram o Sul e o Sudeste do País, fica nítido que precisamos resolver essa questão".

A Ramboll realizou levantamento com base nos dados disponíveis no Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), onde 38,45% da água captada é perdida. A Região Norte é a recordista em desperdício d’água, com 55%, seguida pelo Nordeste (45,98%), Sul (37,14%), Centro-Oeste (35,67%) e Sudeste (34,38%). "Uma das formas de reduzirmos as perdas é revisão da estrutura de distribuição, que possui sistemas antigos, sem dados de cadastro e informações detalhadas, como diâmetro das tubulações, material usado e localização exata, o que facilita as ações de combate aos vazamentos", pondera Singer. "Outra forma é utilizando a tecnologia, com a implementação de uma Gestão Integrada de Dados, com o uso de plataformas digitais, capazes de passar informações em tempo real", completa. 

O Marco Legal do Saneamento quer aprimorar o reuso de água – uma aliada nos casos de crises hídricas e no suprimento de consumos elevados no setor industrial. A bacia do Alto Tietê, por exemplo, atende uma população de mais de 15 milhões de habitantes, mas não dispõe, em longo prazo, de mananciais suficientes para suprir as demandas futuras, sendo importante a reutilização do volume de esgoto tratado para fins menos nobres.