11/04/2021
BRK AMBIENTAL

Volume menor de chuva em 2021 preocupa

Segundo dados da rede pluviométrica do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) e de equipamentos instalados pela BRK Ambiental, o primeiro trimestre de 2021 acumulou 386 mm de chuva no município de Sumaré (SP), 36% inferior ao mesmo período de 2020 (602 mm) e o mais seco nos últimos seis anos, quando o estado de São Paulo enfrentou a crise hídrica. Naquela ocasião, o primeiro trimestre do ano registrou um acumulado de 377 milímetros de chuva. Na cidade, a média histórica para o período é de 528 milímetros, o que significa que as precipitações (chuvas) de 2021 ficaram 27% abaixo da média esperada para os três primeiros meses do ano.

A mais baixa ocorrência de chuvas segue as previsões do boletim climatológico elaborado pelo Instituto Internacional de Pesquisa em Clima e Sociedade (IRI-CPC), que indica que as chuvas neste primeiro semestre do ano devem se manter abaixo da média. “As chuvas nos primeiros meses do ano são fundamentais para a manutenção dos níveis dos mananciais da cidade - o rio Atibaia, que abastece a Estação de Tratamento de Água (ETA) II, e as represas Horto I, Horto II e Marcelo, responsáveis pelo abastecimento da Estação de Tratamento de Água (ETA) I - contribuindo para a segurança hídrica nos meses de estiagem, especialmente no segundo semestre”, diz Rafaella Scorsatto Lange, gerente de operações da BRK Ambiental.

O verão mais seco de 2021 é explicado pela influência do fenômeno La Ninã, que é capaz de modificar a distribuição de calor, a concentração de chuvas, aumentar a velocidade dos ventos, entre outras mudanças em diversas regiões do planeta. O La Ninã provoca o esfriamento das águas do Oceano Pacífico e, consequentemente, há menor evaporação de água e queda na formação de nuvens, o que diminui as precipitações. “A relação menos chuva e temperaturas altas tem impacto direto no sistema de abastecimento de água. Com menos chuva, os mananciais de captação tendem a ficar com níveis mais baixos. Com temperaturas mais altas, o consumo de água na cidade tende a ser mais elevado. Por isso, voltamos a reforçar a mensagem pelo uso consciente da água em qualquer época do ano”, comenta a Rafaella.

Veja também

10/05/2021
BACIAS HIDROGRÁFICAS | Manejo de água em propriedades rurais
04/05/2021
ÁGUAS PLUVIAIS | Reaproveitamento doméstico em Atibaia
04/05/2021
SÃO FRANCISCO | Pré-acordo para operação do PISF
26/04/2021
AMAZÔNIA | Aumento de CO2 pode reduzir chuvas
19/04/2021
ARTIGO | Quanto custa a falta de água?
07/04/2021
RECURSOS HÍDRICOS | Atlas Águas recebe contribuições
29/03/2021
ÁGUA POTÁVEL | Minsait ajuda mais de 50 milhões
29/03/2021
ARTIGO | Abundância de água, escassez de investimentos
22/03/2021
GS INIMA | Webinar sobre o “Valor da Água”
22/03/2021
REUSO | Ambipar vai tratar água da chuva
22/03/2021
ÁGUA | E-book do ONDAS discute tarifa social
22/03/2021
DIA MUNDIAL DA ÁGUA | Exibição do filme “A Água que Falta”